É DIREITO OUVIR E É DEVER PARTICIPAR


O conceito de cidadania foi construído pelos gregos que tinham como base estabelecer os direitos relativos ao cidadão, ou seja, naquela época eram considerados cidadãos apenas os homens livres que nasciam e viviam nas cidades e participavam ativamente dos negócios e das decisões políticas. Ao longo da história, o conceito de cidadania foi ampliado, no Brasil por exemplo, quando nos referimos a cidadania, a Constituição de 1988 deixa bem evidente que é o exercício dos direitos e deveres civis, políticos e sociais por parte dos seus respectivos cidadãos.

Sobre os deveres principais cito alguns como: votar para escolher os governantes, cumprir as leis, educar e proteger seus semelhantes, proteger a natureza, proteger o patrimônio público e social do País dentre outros. Falando em direitos esses são muitos e em grande maioria não são respeitados integralmente, vamos aos exemplos: direito à saúde, educação, moradia, trabalho, previdência social, cultura, lazer, dentre muitos outros.

Para exercermos a nossa cidadania plena é preciso que as políticas públicas sejam aplicadas e materializadas com eficiência, a luta pelo direito a ter direito é uma saga antiga em nosso país, as promessas dissimuladas dos politiqueiros de plantão que acreditam e fazem com que o povo também acreditem que todos os seus direitos serão concretizados logo após os pleitos eleitorais têm sido regra e não exceção. O senso comum tem ganhado um relevo surpreendente no meio da sociedade, as teses e os programas de governo estão sendo substituídos pelas palavras soltas dos patifes de colarinho branco, tudo ficou fácil de resolver, tudo agora será possível. É igual a um conto de fadas, basta pegar a varinha mágica e abracadabra! Cuidado! Mágica nos tempos atuais prefiro a da série Harry Potter escrita pela autora britânica J. K. Rowling! Como diz o ditado: “Viola de boca é fácil de tocar”.

É preciso que façamos uma profunda reflexão sobre o que é exercer a nossa cidadania e a defesa de nossos direitos, próximo ano teremos eleições municipais. Será que o prefeito de sua cidade está fazendo uma gestão valorizando sua cidadania plena? Será que as obras realizadas e políticas públicas implementadas são as prioridades para você ‘cidadão e munícipe’? Em algum momento você ‘cidadão’ foi convidado para definir qual a prioridade em sua comunidade? Como já dizia Friedrich Nietzsche: Uma vez tomada a decisão de não dar ouvidos mesmo aos melhores contra-argumentos: sinal do caráter forte. Também uma ocasional vontade de se ser estúpido”.

O dialogo recíproco entre gestores e sociedade sempre será a melhor ferramenta para consolidação e fortalecimento de nossa cidadania, sendo assim, fique em sintonia e acompanhe a vida política de sua cidade, o parlamento e o executivo só se justificam numa democracia quando a ‘sua’ participação é efetiva.

 

Mário Dias

Secretário Estadual de Organização do PT/SE

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.