Prefeitura de Aracaju anunciou que não realizará Desfile Cívico da Rua Bahia em 2017


No último dia 21, em coletiva à imprensa, a secretária municipal da Educação, Cecília Leite, anunciou, que a PMA não realizará o Desfile Cívico de Aracaju, que seria realizado no dia 3 de setembro, na rua Bahia, bairro Siqueira Campos. Segundo a secretária, prefeitura não tem os recursos suficientes para realizar o evento, estimado em torno de R$ 800 mil. Ainda segundo a secretária, o passivo de R$ 42 milhões em dívidas deixadas pela gestão do ex-prefeito João Alves, obrigou o prefeito Edvaldo Nogueira a realizar um corte no orçamento para 2017 em mais de R$ 30 milhões.
A secretária explicou que a decisão foi fruto de um planejamento de contenção de despesas que a Prefeitura de Aracaju vem fazendo para garantir os serviços prestados. “Para a realização do Desfile, seria necessário dispormos de um montante de R$ 600 mil, somente com a receita da Educação. Quando somamos as necessidades da Secretaria Municipal da Saúde, com equipe e ambulâncias, da Guarda Municipal e SMTT, com efetivo e horas extras, da Emsurb, com banheiros químicos e estrutura física, além de  transporte, lanche, água, fardamento, material das bandas, esse montante ultrapassada os R$ 800 mil reais”, explicou Cecília.
Nosso foco prioritário, no momento, é reestruturar as escolas, os serviços e otimizar o ensino-aprendizagem da rede, disse Cecília. “Enquanto todas as escolas não estiverem funcionando com dignidade, enquanto não recompusermos as carências que encontramos, fruto da gestão passada, nós não realizaremos nenhum evento desta magnitude, que onera a pasta da Educação e coloca em xeque os serviços que conseguimos restabelecer com tanto esforço”, pontuou.
A secretária da Educação enfatizou ainda que o Desfile Cívico da rede municipal deverá ser descentralizado. “A ideia é que as escolas realizem os seus desfiles em seus bairros de origem e apresentem a aula cívica dentro de sua própria comunidade. Tenho certeza de que a população de Aracaju vai não somente compreender, como também apoiar esta decisão”, vislumbrou Cecília Leite.
O portal Zap Notícias, em matéria publicada ontem, 24 de agosto, acusou que o excesso de cargos comissionados como a principal causa da falta de recursos. Segundo o site, são em torno de 1800 cargos na atual gestão do prefeito Edvaldo. No entanto, o portal Entre Notícias, fez uma pesquisa e constatou que esse número é em média 1/4 menor que a gestão do ex-prefeito João Alves, que tinha 2492 cargos comissionados, segundo o portal da transparência.
Por Cláudio Hiroshy
Fontes: Prefeitura de Aracaju, Zap Notícias e Brasil 247

Deixe uma resposta