“Uchoa quer um golpe”, diz Rian Santos


O Jornal do Dia publica artigo assinado por Rian Santos.

No artigo “Uchoa quer um golpe”(abaixo), o que se passou no último domingo, em Brasília, capital federal.

Jouberto Uchoa, reitor da Universidade Tiradentes, abusou da própria sorte. Podre de rico, ele poderia desfrutar dos bolsos bem fornidos sem fazer caso da enorme influência exercida nos círculos mais reservados da aldeia. Preferiu, no entanto, flertar com o obscurantismo. E descobriu, assim, que as mesuras dos poderosos não afetam a etiqueta de quem tem as mãos calejadas pelo trabalho duro. Ao rés do chão, Uchoa é um homem igual a todos os outros, apto a responder por eventuais crimes e erros – Uchoa é um cidadão imputável.
Explica-se: O senhor reitor resolveu tomar parte na mímica golpista dos bolsonaristas. E, desde então, é castigado sem dó nem piedade nas redes sociais.

A malhação de Uchoa é um esforço justo, cabível também em âmbito judicial. Ao confraternizar com os lunáticos reunidos nas cercanias do 28º Batalhão de Caçadores, último fim de semana, ele endossou um crime dos mais graves. Não se trata de se filiar a esta ou aquela corrente de pensamento, manifestar uma opinião, exprimir-se em seus próprios termos, resguardado pela Constituição Cidadã de 1988. Nada disso. Os inconformados não medem as palavras, não escondem as reais intenções do levante: Eles clamam por um golpe.

Uchoa emprestou a reputação construída durante décadas de trabalho digno à pantomina dos bolsonaristas. Assemelha-se, assim, a uma Cássia Kiss, igual a todos os doidivanas sem discernimento assombrados pela ameaça vermelha do comunismo. Uchoa perfilou-se ao lado de quem faz palanque de templos religiosos, confunde liberdade de expressão com a fabricação de Fake News e acredita piamente em mamadeiras de piroca.
Uchoa, um empresário sob todos os aspectos bem sucedido, é também um educador, alguém com vaidade intelectual suficiente para envergar o fardão de academias literárias diversas. Embora não tenha redigido um único parágrafo de grande relevo, ostenta o título de imortal da Academia Sergipana de Letras. Sabe-se agora, contudo, para espanto geral, que o senhor reitor foi seduzido pelo apelo do pensamento mais primitivo, o canto do arbítrio, a ladainha da força bruta.

Assim estamos: Até contundente declaração em sentido contrário (cobrado pela imprensa, ele preferiu se fechar em copas), Uchoa tem saudade dos anos de chumbo, posiciona-se a favor da tortura e do justiçamento, Uchoa quer um golpe.

 

Fonte: Jornal do Dia

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.