Bolsonaro classifica Genivaldo, morto asfixiado por agentes da PRF em Umbaúba (SE), de marginal


O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta segunda-feira (30) que a Polícia Rodoviária Federal teria ‘abatido um marginal’ ao matar Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, por asfixia em uma espécie de câmara de gás montada pelos agentes no porta-malas de uma viatura, em Sergipe. Ele havia sido abordado por estar pilotando uma moto sem capacete.

“Eu lamento o ocorrido há duas semanas aproximadamente com dois policiais rodoviários federais que, ao tentar tirar um elemento da pista ele conseguiu sacar a arma de um deles e executou dois. A GloboNews chamou esse bandido de suspeito. E o outro policial, de outra…esfera…, ao abater esse marginal, foram em uma linha completamente diferente”, respondeu Bolsonaro ao ser questionado diferente”, respondeu Bolsonaro ao ser questionado sobre o pedido de prisão dos agentes da PRF feito pela Ordem dos Advogados do Brasil.

Na declaração, Bolsonaro comparou o caso de Genivaldo a um episódio, ocorrido em 18 de maio em Fortaleza, que levou à morte dois policiais rodoviários federais. O crime aconteceu em um trecho da rodovia BR-116 com a Avenida Oliveira Paiva, no bairro Cidade dos Funcionários.

Segundo Bolsonaro, a classificação de ‘marginal’ dada por ele a Genivaldo seria um ‘tratamento isonômico’ com o que seria feito por parte da imprensa.

“Tratamento isonômico! Vai ser seguido a lei, a gente lamenta o ocorrido nos dois fatos, nos dois fatos, nos dois episódios a gente lamenta muito o ocorrido”, disse o ex-capitão logo após chamar Genivaldo de marginal.

Assim como informou a PRF, Bolsonaro também afirmou que o procedimento realizado em Sergipe que culminou na morte do homem de 38 anos será investigado. Ainda segundo o presidente, não é possível generalizar a atuação da PRF por um único episódio. Ao defender a atuação da PRF, Bolsonaro alegou também que, após a morte de Genivaldo, as ações da entidade ‘voltam à normalidade’.

“Volta tudo à normalidade rapidamente, a Justiça vai decidir esse caso e, com toda a certeza, será feito Justiça…todos queremos isso daí…sem exageros, sem pressão por parte da mídia que sempre tem um lado, o lado da bandidagem, como lamentavelmente grande parte de vocês se comportam”, disse. “Lamentamos o ocorrido e vamos com serenidade fazer o devido processo legal para não cometer injustiça”, concluiu o ex-capitão. (Por Carta Capital)

Fonte: FaxAju

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.