O próximo passo de Gilson Andrade na Educação.


Por Reginaldo Santana

Passado a pior fase da pandemia, o retorno às aulas na rede municipal de Estância está previsto para iniciar em 7 de março de 2022. Depois de quase dois anos fora da sala de aula, um dos principais desafios da gestão é resolver o problema de defasagem de aprendizado.

Em algumas análises nacionais, estima-se que a pandemia agravou a defasagem em até seis anos. A grande maioria dos estudantes com índices de desempenho baixos em matemática e português. Fato, em todo o Brasil, a maioria dos alunos foi passado de ano, mas sem ter aprendido a dominar o currículo de sua série. Agora, em relação a Estância, o que Gilson Andrade poderá fazer para amenizar esse problema que impactará diretamente na cadeia produtiva do município?

A ação da inércia não é uma boa alternativa e nem é o desejado pelos pais que já sofrem com os subempregos. Gilson Andrade não pode ficar parado!! Se a gestão ficar quieta, estamos falando de milhares de jovens que irão sair futuramente do ensino fundamental sem nenhuma chance; nenhuma chance de entrar na porta do mercado de trabalho.

Quanto mais tempo passarmos sem uma ação efetiva, sem coordenação, nossos alunos estarão fadados ao fracasso. Agora, todo o processo precisa ser iniciado pela cabeça da gestão municipal. O líder precisa imediatamente olhar com eficiência para a educação.

E o que o nobre gestor pode fazer? Poderíamos falar de tecnologia, estratégias pedagógicas, consultorias, webinário, outros pontos. No entanto, o primeiro passo de qualquer gestor é cuidar da evolução de seus recursos humanos, pois não adianta comprar uma Ferrari para quem não sabe andar de fusca.

Não iremos avançar se não entendermos que o centro do aprendizado é o aluno. O aluno é o centro do conhecimento. É por eles que devemos focar. O que fazíamos antes, infelizmente não serve mais para as novas demandas de uma geração pós-pandemia. Uma geração que já era líquida e agora mais sensível, mas que precisa URGENTIMENTE ser mais ativa, criativa.

Para que isso aconteça, os alunos precisam de uma rede de apoio “ATUALIZADA”. Professores, coordenadores, equipe técnica e o gestor precisam estar alinhados as novas demandas. Quanto mais tempo passarmos escrevendo em quadros, mais tempo perdemos em desenvolver nossos alunos com criatividade, pensamento crítico, resolução de problemas.

Aí é que entra o gestor Gilson Andrade. Gilson tem a oportunidade de elevar o nível estratégico da educação de Estância de forma extraordinária focando inicialmente em um único ponto: Formação PRÁTICA em inovação em sala de aula para a rede de professores.

Quando falo sobre Formação prática, falo referentemente, a possibilidade do professor ser capacitado para colocar a mão na massa, com foco no PROJETO DE VIDA de nossos alunos. É aposentar mais os quadros e transformar as práticas de projetos em algo contínuo, estratégico. Não importa se é ou não com uso da tecnologia. Temos que sair do quadro.

Agora, como fazer isso? É preciso colocar os pontos nos “is” e convocar a rede de professores para juntos criarem uma estratégia com metas e ações claras, precisas, para que cheguemos no final do ano com mais de 70% dos professores aptos a criarem um ambiente ativo em sala de aula de forma contínua. Gilson Andrade e sua equipe, precisam deixar claro a visão prática que eles desejam ver na educação. Como quero ser visto como gestor? Um gestor que transformou a educação de Estância, ou mais um que passou e nada fez de diferente?

É preciso convocar os professores e não temer. Às vezes, as pessoas só precisam de um pequeno empurrão dos gestores, para assim fazerem grandes mudanças no mundo. Os desafios são enormes, mas continuar parado é mais grave. Não temos mais tempo para isso. Não temos mais tempo para ações

Aqui deixamos um ponto de atenção. Defrontamos com uma rede municipal onde a média de anos de trabalho já passa dos 20 anos. Quando as ações “micro” forem criadas, essas, precisam ser pensadas em dar um apoio diferencial para esse corpo docente… Não queira jogar somente na responsabilidade dos nobres docentes. Todos devem contribuir no processo.

Agora, o mais importante de nosso bate papo de hoje é Gilson Andrade saber responder de forma clara e no máximo em 256 caracteres a pergunta: Como você é conhecido na educação em 2 anos? Gilson só têm dois anos. Aproveito e oferto a pergunta a toda a sua equipe. Como vocês que estão a frente da educação, desejam que a população enxergue vocês em 2 anos?

Antes de tudo é preciso ter meta. Reúna a equipe, trace metas, trace a visão e as coisas vão começar a de fato melhorar para os estancianos.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.