Após fala racista, PSB de São Paulo desfilia o vereador Camilo Cristófaro


Vereador tinha pedido afastamento no final de abril. Partido disse que solicitação equivale a expulsão e tomou medida nesta quarta (4). Na terça (3), CPI da Câmara Municipal de SP foi interrompida por conta de frase racista dita por Cristófaro no microfone.

O vereador Camilo Cristófaro (PSB) durante discurso na Câmara Municipal de São Paulo. — Foto: André Bueno/CMSP

O PSB de São Paulo desfiliou o vereador Camilo Cristófaro da legenda. O processo já tinha sido aberto pelo próprio vereador, que havia solicitado afastamento em 28 de abril, mas ainda estava em negociação.

Entretanto, após a fala racista de Cristófaro durante CPI, o partido decidiu aceitar a solicitação. Segundo o partido, o pedido equivale a uma expulsão e foi tomado em comum acordo com as principais lideranças da legenda.

“No primeiro momento, a ideia era abrir o processo no Conselho de Ética para garantir o direto de defesa. Mas houve uma cobrança interna muito forte de membros do partido exigindo uma solução mais rápida. O próprio Camilo mandou uma carta no dia 28 de abril em pede o afastamento, e nela ele cita um artigo da Constituição que permite o desligamento com a anuência da direção do partido. Então aceitamos essa desfiliação. E juridicamente ela equivale ao processo de expulsão, então ele não faz mais parte do quadro do partido“, disse ao g1 Jonas Donizette, presidente estadual do PSB.

“A gente tomou essa decisão porque a reação foi muito forte. Temos uma negritude muito forte dentro do partido. O Márcio França [pré-candidato a governador] e a Tábata Amaral [presidente do diretório municipal do PSB] também falaram comigo sobre isso, foi um entendimento do partido como um todo”, completou.

Em nota, a executiva municipal afirmou que “falas e ações racistas devem ser responsabilizadas com seriedade”.

“Como um partido que luta por justiça social e igualdade de oportunidades, é dever do PSB exigir que os seus quadros atuem de forma coerente. Falas e ações racistas devem ser responsabilizadas com seriedade. Só assim garantiremos um ambiente mais justo e menos violento na política e, consequentemente, na sociedade como um todo”, diz o texto.

Fala racista

O comentário ocorreu durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga as empresas de aplicativo na Câmara Municipal de São Paulo.

Os trabalhos foram interrompidos temporariamente após o microfone do vereador Camilo Cristófaro (PSB) ter vazado no plenário dizendo a frase “é coisa de preto” na frente dos outros parlamentares.

O flagrante aconteceu no início da sessão que ouviu a ex-CEO da empresa Uber, Claudia Woods, e o sócio da empresa de motofrete THL, Thiago Henrique Lima.

“Não lavar a calçada…é coisa de preto, né?”, disse o áudio vazado no plenário (ouça acima).

Camilo Cristófaro não estava presente na Câmara durante a fala, mas participava da sessão de forma remota, através de videoconferência.

A imagem dele não apareceu no painel do plenário durante o vazamento do áudio, mas a Mesa que dirigia os trabalhos confirmou que ele já estava plugado e participando da sessão.

O vereador admitiu que a voz é dele e deu duas versões diferentes para a frase (veja abaixo). Primeiro, disse que falava sobre carros. Depois, que se dirigia a um amigo.

Após o ocorrido, o presidente da CPI, Adilson Amadeu (União Brasil), suspendeu os trabalhos por cinco minutos para deliberar internamente sobre o impacto da frase.

Na retomada dos trabalhos, a vereadora Luana Alves (PSOL), que é negra, declarou que Cristófaro foi “extremamente racista”.

“Infelizmente nós temos a sessão completamente tumultuada por um áudio que tem a voz do vereador Camilo Cristófaro, que acaba de proferir uma frase extremamente racista. Eu queria não acreditar que essa fala existiu, mas infelizmente existiu. Conversamos ali atrás, queria pedir à secretaria da Mesa das notas taquigráficas. Ficará registrado. Ficou acordado que todos aqui são testemunhas para todas as ações que venham a ocorrer se ficar comprovado que é do vereador Camilo Cristófaro, como parece ser”, disse Luana Alves.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.